segunda-feira, 20 de julho de 2015

A força de um elogio

Naquele tempo em que estudava numa universidade em Portugal, havia uma menina da minha turma que tinha feito castings em concursos de talentos musicais aka Ídolos. A sua vozinha não era má de todo, mas não era assim uma coisa muito excepcional. Era uma vozinha de uma princesa Disney a cantar, no meu entender.

Toda a gente lhe gabava a voz. Uauuu, quem me dera cantar como tu, diziam algumas colegas. E eu como não sou de bajular ninguém, mantive a minha postura de insensível perante tal maravilhosa voz.

Tal como eu, ela gostava de curtir o sol do lado da janela da sala de aula. E ficava sempre nas cadeiras atrás de mim. E em vez de prestar atenção à aula, a gaja cantarolava enquanto o professor explicava o conteúdo da aula. Aquilo incomodava-me como tudo, porque estar dentro de uma sala de aula já é penoso, gramar alguém a cantar enquanto estava a tentar concentrar-me ainda era pior.

Para os meus botões, eu só pensava "Mas quando é que esta p*#a se cala mesmo?"

Até que um dia, ganhei coragem, virei-me para trás e disse-lhe: "Adoro o teu timbre... tão suave... cantas mesmo muito bem. Sou tua fã"

A miúda, fez um sorrisinho de diva e agradeceu-me, enquanto virei-me para a frente. Virei-me de novo para trás e disse-lhe "E por favor, não estragues a tua voz aqui porque ninguém quer-te ouvir agora. A tua fã quer ouvir o que a prof. de Bioquímica está a dizer, 'ta bem?"

Nunca mais cantarolou perto de mim.


0 impressões:

Enviar um comentário