terça-feira, 30 de junho de 2015

M*rdas que a minha mãe diz (e que acho que são geniais!)


Numa visita à habitual operadora de telecomunicações para alterar o pacote tv+net+telf, ao entrar na loja, que não tinha absolutamente ninguém a ser atendido, um rapaz notivo, brasileiro vem ter connosco e diz:

- Boa tarde, eu gostaria de vos ajudar para que o atendimento seja melhor. Qual o motivo da vossa visita?

- Viemos fazer fazer uma alteração.- responde a minha mãe-

- Ah e que tipo de alteração?

- Para ver se pagamos menos.

- E será que vos posso ajudar? Se me permitem, eu retirarei uma senha para as senhoras...- diz ele

- Não é necessário... aquela menina ali já me conhece de ontem... Ora com licença- diz a minha mãe afastando-se dele.

Apresso o passo para acompanhar a minha mãe ao que ela sem baixar o tom de voz diz:

- QUE PANELEIRICE!

terça-feira, 23 de junho de 2015

Festas de S.João

Desde pequena que vibro com estas festas na minha cidade, talvez por causa da azáfama de decorar o jardim de casa com motivos festivos horas antes das sardinhadas que se fazem com os amigos, talvez pelo próprio cheiro a sardinha assada, talvez pela azáfama das pessoas num sobe e desce pela avenida para ver todas as barraquinhas, talvez pelo espírito que envolve a cidade durante esta época.
Vibrava com a noitada a dar marteladas ou a esfregar ervas mal-cheirosas a desconhecidos, vibrava com o cheiro delicioso a farturas e a algodão doce que emana a avenida, pela alegria dos bracarenses que contrasta com a Semana Santa, semana muito deprimente cá em Braga. Vibrava com as dezenas de pessoas que reencontro nesse dia, pessoas que provavelmente só me cruzarei num próximo S.João...

Em pequena, S.João para mim significava carroceis. Um por dia, cerca de três por ano. Normalmente o grilo, o dragão ou o típico carrocel com cavalos e girafas. 


Pela primeira vez, no ano passado, lancei um balão. Escrevi lá alguns desejos para que fossem concretizados até ao S.João seguinte. E pelos vistos surtiu efeito :)

Este ano o S.João talvez terá um sabor diferente: do grupo numeroso que existia no ano passado, dois elementos casaram-se, logo estarão na sardinhada da família, quatro elementos não descerão a avenida porque são pais de recém-nascidos, três elementos têm exames na faculdade, dois deles trabalham no dia seguinte... Isto significa que por muita meninice que ainda conserve, todos os outros estão a crescer... Portanto esta treta do Forever Young não se pode aplicar a todos...


Bom S.João a todos! 

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Skype com o P.

Alima: Estou ansiosa de aderir às caminhadas da Nocas. A gaja teve boa iniciativa com isto das caminhadas domingueiras. A malta tem aderido bem. E da Arcada ao Bom Jesus, passando pelo pequeno almoço na montalegrense, faz-se bem a pé. Já fiz e sobrevivi.

P: Caminhar não é minha praia. Mas eu já lhe disse que assim que chegarem lá cima [Bom Jesus], estarei  na esplanada a aplaudir ao vosso sprint.

Alima: Isso não conta! Já propus ao povo em acabar a caminhada com um maravilhoso picnic no Sameiro, aproveitava-se as mesas de pedra e a sombrinha das arvores e era uma tarde bem passada. Ainda tenho alvo e dardos dos tempos em que fazia picniques com a famelga! Basta alguem enfiar o farnel todo no carro e juntar-se a nós quando chegarmos lá cima.

P: Posso dizer te uma coisa?

Alima: Fala.

P: Nunca fiz um picnique na minha vida.

Alima: O.o

P: Conheço os melhores restaurantes da zona norte e alguns centro e sul, mas nunca fiz um picnique.

Alima: Pagas-me um jantar no Pedro Lemos ou no Yeatman e vou ver o que posso fazer por ti. Assim experimento uma refeiçao com um nome todo chique que cabe na cova de um dente e tu provas rissois, bolinhos de bacalhau e salada de feijao frade com sabor a campo, misturada com formigas. Dobre?


(Adivinha como vais passar o teu aniversario que está próximo...)