quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Dos Vizinhos

Um dos meus vizinhos foi caseiro de uma quinta perto da minha casa durante décadas. E como o dono da quinta teria que o indemnizar o caseiro por ter de o despejar da casa e das terras, indemnizou-o  com uma casita térrea perto da minha.

Os meus pais sempre tiveram uma relação empática com a família do tal caseiro que durante anos, a minha mãe optava por comprar hortaliças à esposa do caseiro que comprar nos supermercados. E quando a quinta ficou desactivada, a minha mãe volta e meia oferecia-lhes um cabaz com vinho e fruta caseira.

No ano passado o caseiro aproximou-se da minha mãe e comentou-lhe que as nossas árvores de fruto necessitavam de ser podadas.

- É coisa de numa hora se fazer, minha senhora- assegurou-lhe o homem.- Até lhe faço de graça!

A minha mãe pediu-lhe então que assim que tivesse tempo, se não se importasse, poderia então podar o que acharia necessário. E ofereceu-lhe mais um cabaz com vinho e castanhas por simpatia.

Passado uns dias, chega o homem lá com a sua escadita e conseguiu realizar a maravilhosa tarefa de podar uma figueira, um pessegueiro, um limoeiro e uma ameixoeira em três horas.

Dentro de casa, eu avisei a minha mãe que o homem, da maneira como estava a engonhar, estava a fazer um trabalho muitoooo relaxado, o que provavelmente isto significaria que ele iria pedir dinheiro por podar 4 arvorezitas de jardim.

- Hum.... achas mesmo, Alima? Mesmo sabendo que estou sempre a dar-lhe coisas?- perguntou a minha mãe.

- Fique sabendo que nos dias de hoje ninguém faz nada de graça, mãe. Até para pedires para te instalarem um jogo no pc pagas no mínimo 10 euros.

Terminada a tarefa hérculea, a minha mãe, que já tinha dado um lanchinho para o senhor descansar, perguntou-lhe quanto é que lhe devia, numa daquela de simpatia, porque o senhor até lhe tinha dito dias passados que até lhe faria de graça.

O fulano, tira o chapéu, coçou a cabeça:
- Ora bem... estou aqui desde as duas da tarde, são cinco horas, faço a 20 euros a hora... 20 x 3 são... 60 euros.

A minha mãe pagou-lhe o montante sem discutir e jurou que nunca mais lhe oferecia  uma laranja que fosse.

Estes dias, o velhote veio ter comigo com a mesma cantiga:
- As árvores estão a precisar de ser podadas outra vez, menina. Quer que faça isso outra vez?

Olhei para as árvore e disse-lhe:

- Não se preocupe. Vi na internet como se podam... este ano serei eu a podar.

E com a supervisão de um certo Eng. Agrónomo um dos resultados numa tarde de Sábado foi este:

.


0 impressões:

Enviar um comentário