quarta-feira, 11 de junho de 2014

Da inveja...

Quando há cerca de quatro meses me disseram que poderia pedir transferência para Portugal e que a conseguiria sem qualquer problema nem sequer tentei por medo de chegar lá e ter que fazer mais cadeiras adicionais, o que faria que esse ano seria um ano de cão com o enorme risco de ter de repetir o ano pois talvez não seria capaz de conseguir fazer tudo antes de chegar aos anos clínicos.

E quando há um mês vi a lista dos que tentaram e dos que foram admitidos para entrevista (quase ninguém me disse que o faria, fizeram isto na máxima confidencialidade) fiquei extremamente feliz por saber que os que foram admitidos têm fortes chances de estudarem em Portugal já em Setembro. Eu sabia que entraria este ano considerando o meu curso anterior e os créditos já conseguidos, mas não foi por covardia mas sim por precaução resolvi não tentar. Preferi jogar o certo pelo incerto e dessa forma sei que não sentiria pontada de arrependimento.

A T., de uma forma inócua perguntou-me se não estava com uma ponta de inveja. Sem dúvida que não. Inveja teria se tivesse tentado e não fosse apurada (o que seria só possível se eu não fizesse a candidatura correctamente, porque segundo os cálculos ficaria acima da metade dos apurados). Alias, cruzo os dedos para que tudo lhes corra bem. E sei que vai correr. E também sei que abrirão caminho para quando entrar para o ano. Se para o ano arriscar. 

0 impressões:

Enviar um comentário