quinta-feira, 1 de maio de 2014

O posto do leite

Estes dias, a minha mãe contou-me que perguntou a um grupo de alunos de onde vinha o leite, ao qual um aluno respondeu "do pacote".

Eu com a idade desse aluno sabia perfeitamente que o leite que consumimos vinha da vaca. Mais até: eu com a idade dele já tinha ordenhado uma.

Recordo-me que os meus avós paternos terem sempre duas vacas. Normalmente chamavam-se Morena, Flora ou Gabriela (em homenagem à Gabriela do Jorge Amado) . Era um prazer para mim, quando estava de férias, acompanhar a minha avó a pastar as vaquitas. E era um prazer maior, quando ela me sentava sob uma trave, no curral, e debaixo de uma luz ténue, ao final da tarde, ela ordenhava as vacas. A avó falava com elas em tom mansinho e elas lá consentiam. Depois de ordenhar para um balde em folha, ela colocava o leite numa leiteira de tamanho generoso. Mas antes disso, dava-me um copo de leite (quentinho ainda, cheio de gordura, o melhor leite que provei... qual pasteurização, qual quê...). Ás vezes reclamava com as natas que aquilo formava, a avó com um garfo retirava-as e dizia-me que aquilo é que dava valor ao leite.  Soube anos mais tarde, que muitas pessoas quando viam as vacas urinar, punham o balde debaixo da vaquita para misturar a urina com o leite para render mais "leite gordo".

Depois, metia um pano na cabeça e transportava a leiteira à cabeça. Encontrava as vizinhas à frente do tasco e partiam todas a pé para o  posto do leite que ficava na entrada da aldeia, a cerca de 1km das casas.
Durante o caminho conversavam, falavam de quem tinha morrido, como ia o milho, dos malditos javalis que focinhavam as culturas todas e a que horas iriam regar (sim, porque no Verão, as regas são feitas a meio da noite).
Chegadas ao posto do leite, a encarregada abria o posto e lá despejavam o leite para um contentor industrial.
                                                     Um dos postos do leite da zona já extinto

Grande parte daquelas mulheres já morreu. E mais ou menos desde que a minha avó faleceu em 1997 e com a reforma agrária, o posto de leite foi extinto. As poucas famílias que ainda têm vacas actualmente, consomem o leite ou fazem queijos, mas nunca para venda. Ainda conservam as vacas porque existem subsídios e para evitar o aparecimento de mato nas bouças... Mas sim, indubitavelmente graças ao desaparecimento das gentes da Serra, as vacas daquela região poderão entrar em extinção...




1 impressões:

S* disse...

Crianças modernas e pouco informadas.

Enviar um comentário