terça-feira, 6 de maio de 2014

Da passagem do tempo...

Recordei-me agora de uma página de um livro de História do meu pai do tempo do liceu se não estou em erro.
Trata-se de um livro do inicio da década de 70 em que nessa página aparece quatro imagens: o trisavô, o bisavô, o avô, o pai e o estudante.

Tinha escrito algo como:
O teu trisavô assistiu à guerra civil em Portugal;
O teu bisavô assistiu à revolução industrial.
O teu avô assistiu à queda da Monarquia e à Primeira Guerra Mundial;
O teu pai assistiu à Segunda Guerra Mundial.
Tu assististe ao lançamento de foguetões e viste o Homem a chegar à Lua.

E os teus filhos o que assistirão?

Bem, acho que na qualidade de filha do estudante já posso responder qualquer coisa antes de eu própria ter trinta anos.

Assisti aos primeiros telemóveis lançados no mercado, os telemóveis deixaram de ser apenas algo para fazer chamadas e passaram a servir para mandar sms, ouvir música, ver filmes, fotografar ou filmar, aceder à internet, toda uma panóplia de gadgets e funções que actualmente são essenciais. Para não falar que os vulgares mapas de viagem em papel foram substituídos por GPS ou aplicações de telemóvel.
E a televisão deixou de ser uma raridade em casa. Mais: há em quase todas as cozinhas, salas e em muitos quartos de portugueses. Anexada a ela, havia o leitor de VHS, dvd ou bluray. Ultimamente uma simples pendrive nas costas da televisão serve como instrumento para visualização de filmes.
Assisti a máquinas que eram pesadas, caras, obsoletas e mais exclusiva a entidades que a uso doméstico, invadirem as nossas casas, as nossas bibliotecas, faculdades, os nossos comboios. Essa máquina chama-se computador.
Assisti à dinamização da informação e a actualização ao minuto graças à Internet. É graças a ela que posso ir onde físicamente não posso ou ainda não fui. Graças a ela posso comprar o livro X que está nos Estados Unidos ou partilhar experiências como todo o mundo. E graças às redes sociais consigo manter contacto diário com os meus amigos do jardim de infância, com aquela prima que foi pro Brasil e nunca mais a vi, onde tenho noticias actualizadas ao segundo.
Assisti à robotização das cozinhas e da casa. Temos microondas, máquinas de cafés que não exigem grandes cuidados de limpeza, robots de cozinha, máquinas de lavar tudo e mais alguma coisa.
Assisti à geração do canudo. Porque antes contava-se pelos dedos as pessoas que eram doutoras numa família,  agora conta-se pelos dedos as pessoas que não o são.
Assisti pela televisão a queda de duas torres nos Estados Unidos em 2001. E desde então o mundo nunca mais foi o mesmo.
Assisti, vibrei e chorei com cada quase campeões da Europa e do Mundo por parte da nossa Selecção Nacional de Futebol.

Sim, já assistimos a muito e a muito mais iremos assistir. E apesar de uma crise política económica e social nunca vivemos tão bem como esta geração :)

0 impressões:

Enviar um comentário