domingo, 6 de abril de 2014

Jó reggelt Budapest!

...ou Bom Dia Budapeste.


Por unanimidade dos intervenientes, ficou decidido que o fim de semana seria para passar a viajar e a desfrutar a noite da capital Húngara.


Factos a reter:
1. Budapeste é uma das minhas cidades favoritas pois sou apaixonada por História e Arte. E aquela cidade transpira as duas coisas q.b.

2. Budapeste tem os melhores restaurantes turcos na minha opinião. Sou suspeita, adoro comer, comida turca é das gastronomias que mais aprecio  (não tivesse eu provado imensos pratos graças às minhas fantásticas e amorosas ex-flatmates que entravam em colapso quando dizia que usávamos sangue em alguns pratos portugueses).

3. Budapeste por ter como moeda o Florint que tem um valor baixíssimo comparando com o Euro, é uma cidade ridiculamente barata. Pelo menos a parte não turística. 

4. Budapeste é considerada a capital da moda nos países considerados de leste. O que faz com que se encontre roupa super bacana. Tem imensas lojas de roupa em segunda mão com roupas e acessórios  de excelente qualidade (aquela bolsa Furla linda e maravilhosa que desencantei em excelente estado de conservação, ou aquele blazer Versace que amo  numa dessas lojas perto da sinagoga das últimas vezes que visitei Budapeste que o diga...)

5. Budapeste tem muita vida nocturna. E do que se passa nela, pouco me consigo recordar com nitidez. Só sei que foi um entra e sai em bares, discotecas e em discotecas localizadas em ruínas e que uma das jovens que foi comigo foi javardamente apalpada por dois desconhecidos no espaço de meia hora.

6. Budapeste tem muitos turistas que tal como nós vão lá para se divertir (okok, Budapeste é também considerada das capitais do porno e como tal há zonas na cidade que... não interessa...)

7. Quase todos falam inglês. Logo, evitar comentários entre nós em inglês, sff.

8. Para aventureiros e tesos como eu, ficar hospedado em hosteis é uma excelente solução. Pagamos cada um 3.50€ por uma cama num hostel muito simpático e acolhedor. Um dos hóspedes mais simpaticos era um Pug que recebeu imensos mimos que foram um consolo para ele e para nós, já que estamos separados dos nossos animais de estimação e desta forma foi óptimo para matar saudades de sacos de pulgas. 

9. Budapeste é óptima para tirar fotografias. Especialmente se tivermos uma veia artística de as tirarmos bem. 

10. Budapeste tem uma particularidade que adoro e que não posso dizer o mesmo de Viena: consegue-se comprar antiguidades baratas. No meu caso, eu adoro loiça e cristais da Boémia. E sempre que vou a Portugal, levo na mala, com todos os cuidados do mundo, todas as peças que vou adquirindo. 

Coisa a reter para não voltar a repetir:

1. Jamais, mas jamais deixar que um muçulmano se junte ao grupo. Ou reclamam porque só bebemos álcool, ou reclamam porque os restaurantes que queremos ir não haja carne Hallal, ou reclamam porque as mulheres do grupo não se dão ao respeito ao levar vestidos curtos... pffffffffffffffffffff
Além disso não conseguem falar baixo numa igreja e quando nos vêm a rezar (o que ainda é de praxe em cada igreja que se entra) não se importam em interromper as orações dizendo que parecemos ridículos, mesmo se esquecendo que rezam numa posição menos ortodoxa, com o cú virado contra Meca. Mas pronto, os meus arrufos e stresses com muçulmanos deste tipo deram e darão muito pano para mangas.

2. Jamais mas jamais aceitar conselhos de restaurantes por parte desse muçulmano. Comida paquistanesa não é para mim nem para mais ninguém com a excepção dele. E além de picante, mesmo avisando que não o poderia ser, demorou 45 minutos para chegar à mesa, mais o tempo para chegar ao restaurante o que foi uma perda de tempo, quando poderíamos ter frequentado comida que apreciamos. Além disso aquilo era um tasco em que não havia WC nem sitio para lavar as mãos (e considerando que esse tipo de comidas é para ser comido com as mãos...)

3. Não levar um par extra de sapatos. Os pés de todos nós incharam. Ao fim de umas horas ninguém conseguia caminhar. Mas o nosso ânimo voltou quando substituímos o nosso calçado por sabrinas e sapatilhas de pano.

Passar um fim de semana em Budapeste para mim é como ir de Braga a Lisboa passar um fim de semana. E sempre que visito Budapeste fico mais e mais apaixonada com a cidade.
Sim, tenho saudades dos meus cães...

0 impressões:

Enviar um comentário