sexta-feira, 12 de julho de 2013

Querido Pai,

Hoje fomos a aldeia para fazer limpezas à casa.
Por incrível que pareça, a casa, apesar de estar fechada há onze meses, estava praticamente limpa, sem grandes teias de aranhas, com pouco pó na mobília e no chão. O nosso maior medo quando vamos até lá são os ratos e as cobras e as enormes aranhas que vivem naquele ambiente agreste da serra. De qualquer forma não vimos qualquer vestígio desses animais quer dentro da casa quer no quintal. Umas pequenas teias de aranha apenas.

E hoje, limpamos, varremos, enceramos toda a casa. Limpamos todo o jardim, removendo qualquer erva daninha. Estive a passar uma demão de um produto para conservar as madeiras. Somos três habilidosas! Consegui retirar com todo o cuidado dois ninhos que os passaros fizeram entre as pedras da parede da casa. Da videira de uvas americanas já se vislumbram algumas tímidas uvas. Lamentavelmente não as vamos provar em Setembro, porque só vamos à aldeia em Julho para limpezas e em Agosto para estar com os nosso parentes emigrados em França e no Brasil. O mesmo digo do velho marmeleiro que está num canto. Esse tem alguns marmelos a nascer, mas a mãe já disse que não se vão vingar.

Uma vez alguém chamou-me parola e pobre quando disse que não vou de férias para o Algarve nem viajo de férias para o  estrangeiro... Tomara... As minhas férias são passadas no meu Portugal porque no estrangeiro estou o resto do ano e para quê ir para o Algarve se eu tenho uma segunda casa de férias?

Uma vez disseste-me que o dono só pode morrer quando a casa estiver acabada. E foi isso que fizeste. O problema é que a casa precisa também de ser conservada, coisa que muitas vezes nós as  três temos alguma dificuldade.

Estou realmente cansada. Tenho alguns calos nas mãos por andar com a enxada a arrasar as ervas daninhas. A minha pele até há bocado estava peganhenta por causa do verniz da madeira. Nada que diluente não ajudasse a remover. Mas estou realmente feliz. A casa está tão bonita como da última vez que lá entraste...
Um beijinho,

Alima

6 impressões:

capitão disse...

A manutenção do que quer que seja é um encargo em dinheiro e tempo. Os afectos, por vezes, quase nos levam à ruína, mas são eles que nos justificam.
Desculpe-me a ousadia, mas tem de corrigir os "á" que se referem a tempo, pois são "há" do verbo haver, Fica mal uma Dra. Dar erros.
Não leve a mal.

Alima das Cartas disse...

Autch tem toda a razão...
Erro corrigido...
Um bem haja,
Alima

capitão disse...

Corrigiu só um. Deixou ficar ... A minha pele até à bocado ...
Ate há bocado ... , é que está certo.

Lia disse...

Gosto de fazer remodelações, arranjos, limpezas... Também tenho jeito, sabes? :) Era menina para vos ter ajudado com o maior sorriso do mundo.
Beijinho *

Alima das Cartas disse...

rectificado... muito obrigada, e um pedido de desculpas pelo meu português às vezes ruim...

Alima das Cartas disse...

ahahah antes de começar temos de estar bem inspirados. O que às vezes é difícil.

Enviar um comentário