segunda-feira, 10 de junho de 2013

Querido Cupido

Peço encarecidamente que por uns bons anos esqueças que eu exista.
Não quero apaixonar-me nem apaixonar ninguém.
Sou uma pessoa demasiado ocupada com trabalho e com o sucesso, com a família e com os amigos que para mim são seres assexuados. Não quero perder tempo a olhar para outros com um olhar apaixonado

Da última vez que me atingiste, levaste-me à exaustão. Felizmente já consegui retirar a flecha que mandaste com o teu arco... e foi bem penoso removê-la: tirou-me horas de sono, fez com que chorasse e suspirasse pelos cantos como se o mundo estivesse a desabar a meus pés. Fez de mim uma miserável. Mas sim Cupido, já recuperei, o alvo que fui já foi cicatrizado. Cicatrizado mas com muito medo de que a ferida volte a abrir. 

Lembro-me há uns anos ter lido no Principezinho uma coisa qualquer sobre cativar significar criar laços. Quero então, caro Cupido, que não me ponhas a cativar alguém nem quero ser cativada. 

Deixa-me em paz, por favor. E eu prometerei que estarei bem sossegadinha de modo a voltar a ser a Alima invisivel que sempre fui. Não flirtarei nem sequer sorrirei para nenhuma possível vítima tua. E prometo que não terei nem conversas parvas nem conversas demasiado inteligentes com nenhum homem (sim, porque fui chegando à conclusão que os homens ou são oito ou oitenta!)

E acima de tudo procura não acordar velhos fantasmas... Deixa-me desfrutar o Verão sossegada, tá?

Alima

6 impressões:

Gonçalo disse...

Por uns bons anos? Cuidado com os exageros, todos merecemos o sentimento de vida. Adiares um destino, é adiares-te a ti. E logo tu, que me pareces com tanto potencial. Quero-te bem! Beijinhos :)

Alima das Cartas disse...

Sim, Gonçalo... anos! O mesmo destino a curto prazo não deverá estar relacionado a paixões. Prioridades, prioridades...

Gonçalo disse...

Um dia contas-me uma prioridade mais forte que uma paixão! :)

Alima das Cartas disse...

neste momento? trabalho...

Gonçalo disse...

Deves ter um trabalho deveras apaixonante ao ponto de me deixares curioso...

Alima das Cartas disse...

não quer dizer que o trabalho seja apaixonante... são prioridades... que não se conciliam com o amor neste momento...

Enviar um comentário