sábado, 29 de junho de 2013

Querida Irmã...

Hoje é o dia do teu aniversário. Parabéns. 
Sabes bem que apesar dos nossos conflitos e chatices gosto imenso de ti. Afinal tu existes porque eu quase fiz greve de fome para que os nosso pais me dessem uma irmã. Aliás, até acho que preferia um irmão. Os irmãos (normalmente) não roubam as sandálias favoritas à irmã nem a maquilhagem só porque sim. E como normalmente gostam de carros não se importam de o lavar ao fim de semana.

Tu és bem mais feminina que eu. Eu sou adepta de sapatos baixos (ok, tenho quase 1.70m só mais alta que a média feminina portuguesa e sou do estilo bem entroncada), mas tu adoras saltos altos. Quanto mais altos melhor. E claro, a mãe faz sempre comparações entre tu e eu. Para ela és o modelo de virtudes. Deveria seguir o teu estilo e a tua filosofia de vida. Não demonstras emoções. Ás vezes até tenho medo de pensar que és um bocadinho para o fútil e para oca. Aprendes o que te convém. E sabes bem que és mais inteligente que eu. 

Raramente conversamos. Basicamente porque eu desisti de conversar contigo. Falamos, mas não conversamos. Não temos grande tema de conversa. E nisso sei que ganho alguns pontos em relação a ti no que respeita à relação com a mãe. Tu não falas de banalidades. Falas só de coisas ligadas à ciência. Sabes o ciclo de Krebs de trás para a frente, podes saber tudo sobre farmacogenética e de farmacognosia (não fosses tu quase farmacêutica...) mas não tens paciência nem pachorra para explicar as coisas básicas a pessoas mais ignorantes nesses assuntos tipo a mãe. Não sabes fazer analogias. Lembras-te quando estivemos as duas a explicar à tia C. o que era realmente um enfarte de miocárdio e tu puseste-te com termos dispneia, pacemaker cateterismo cardíaco, stunt, artéria radialangiografia e nodo sinoatrial? A tia, com poucos estudos, no seu sotaque vimaranese  virou-se para ti e disse-te: "Mas que c*****lho estás tu p'ra aí a dizer?" Então eu tive que intervir. Tive que lhe explicar todos esses termos num português corriqueiro e com analogia do é do tipo, é como. E então ela entendeu perfeitamente. E soube explicar às irmãs dela como se fosse uma entedida na matéria. 

Não te convém dizer que sabes fazer tudo para simplesmente não o fazeres. Um bom exemplo: Chego eu a casa, a lâmpada da cozinha está fundida. Tu e a mãe estão na cozinha com a luz do exaustor. Da mãe não posso esperar muito que de desenrasque a mudar aquela lâmpada, porque como é para o baixa não mesmo que se ponha em cima da mesa não chega a lâmpada. Então eu pergunto-te se pelo menos já compraste a lâmpada. E tu dizes que não sabes qual deves compra-la. Então eu vou à loja, compro a lâmpada. Compro uns arrancadores porque tenho uma suspeita que pode ser por isso que não funcione. Chego a casa e eu e a mãe empurramos a mesa para debaixo do candeeiro. Pergunto à mãe porque é que não a ajudaste a trazer a mesa. "Oh, ela é novinha, não tem força para isso!", responde a mãe.
Então eu lá me empoleiro  na mesa, enquanto a mãe vai desligar a corrente eléctrica, retiro as grelhas do candeeiro, rodo para cá e para lá a lâmpada, coloco a lâmpada e verifico se funciona a luz assim que ligada a corrente. Não há luz. Coloco os novos arrancadores e a velha lâmpada. Funciona. O problema estava nos arrancadores. 

-Então mana, não achas que está na altura de aprenderes a fazer qualquer coisa útil cá em casa?,- pergunto-te...
- Oh... ela ainda é novita, deixa-te de coisas!- diz a mãe.

Pois é mana, fazes hoje 22 anos. Está na altura de deixares de ser o bebé cá em casa. Para mãe serás sempre o bebé. Tens que te impor. Eu com a tua idade já tinha ido de avião sozinha para outro país trabalhar. Há coisas que o teu canudo não te vai ensinar. Aprende por ti própria. Vais gostar. Tens de deixar de ser tão dependente das pessoas. Já não és aqueles 4 kg de gente, todo cabeludo e vermelho que vi pela primeira vez na maternidade há 22 anos. Tornaste uma menina bonita e delicada. E eu tive que me tornar numa espécie de homem entendido em mecânica, em pedir orçamentos, em electricidade, pichelaria e canalização. Mas agora tens que começar a pensar em deixar os teus stilettos e a passar a usar de vez em quando umas havaianas, ou pior umas crocs. 

Sim, porque faz agora vinte e dois anos em que a mãe ficou de trombas e gravidérrima em casa na noite de S. João enquanto eu e o pai fomos até à avenida com os tios com os martelos em riste. E sei que levamos farturas e pão com chouriço para a mãe comer não fosses tu nascer com cara disso. E como nasceste no dia 29 de Junho, lembro-me do tio F. dizer ao pai quando ele lhe contou a boa nova: "F***-se, apartir de agora, além das sardinhas e vou de comprar sempre bolo!"

Feliz aniversário, mana. Que disfrutes bem o teu dia. E que cresças!

A tua old sister,
Alima

3 impressões:

Gonçalo disse...

Eu conheço-te! :)

Alima das Cartas disse...

fico contente em saber que os leitores do blogue conhecem melhor a autora que ela própria...
Um bem haja

Gonçalo disse...

Já te vi pessoalmente!

Enviar um comentário