domingo, 2 de junho de 2013

Carta ao rapaz a quem dei o meu primeiro beijo

Antes de mais nada, deixa-me dizer-te que apesar de tudo que dissemos um ao outro em tom de agressividade e discórdia, anos mais tarde após o nosso primeiro beijo, farás sempre parte da minha memória quer para o bem e quer para o mal.
O beijo, o primeiro beijo, tão importante à nossa pessoa, faz parte das nossas vidas... Podemos esquecer-nos de como celebramos o nosso vigésimo aniversário, ou quem fomos ver o nosso filme favorito no cinema, mas a memória do primeiro beijo perdura sempre.

E quando foi o meu primeiro beijo? Foi contigo. Nunca te cheguei a dizer. Foi naquele sábado à noite de Novembro, debaixo de chuva miudinha, em que saímos do café onde eu estava as minhas amigas (que amigas eram? já não me recordo) para darmos uma volta pelo centro da cidade. Recordo-me que me pediste uma chiclete. Foi naquela rua que tantas vezes passei sozinha, que tem umas lojitas bem bacanas e que a partir daquela noite, no meu íntimo, passou a ser a rua onde beijei  romanticamente pela  primeira vez.

Durante muitos meses pensei em ser eu a dar o primeiro passo. Tivemos tantos momentos fantásticos para que pudéssemos beijar: no cinema, na praia, no carro... Mas morria de medo de que recuasses e dissesses não. E sempre que estava contigo rezava baixinho para que fosses tu a beijar-me.

Mas no meu primeiro beijo avançamos os dois. Não chegaste acabar a pergunta que ainda sei qual era. O nosso beijo, ou melhor quando eu avancei sem responder foi o sim para a tua pergunta. 
Foi uma confusão de línguas que não contava que acontecessem. Nos filmes românticos não se consegue ver o que passa dentro da boca dos actores. E quando acabamos de nos beijar, abraçamo-nos. Sentia-me a tremer. Deste-me um primeiro beijo digno de cinema. 
Ainda me recordo o teu hálito à chiclete de mentol. E sorri pouco tempo depois quando ouvi na rádio o Rui Veloso a cantar Primeiro Beijo e a história da "Chicla" de Mentol

Muitos outros beijos aconteceram naquelas semanas em que namorámos. E mesmo quando deixamos de namorar tivemos os nossos beijos. E eu lutei tanto para que as coisas corressem bem...

... Mas tu,  homem agora, a quem dei o meu primeiro beijo não estás destinado a ser o homem que beijarei todos os dias... Resignei e aceitei tal facto. Custou mas já  passou...

Mas sim, meu caro, depois de ti beijei outros. Uns porque queria, outros porque pensei que seria melhor assim. E antes de ti tive propostas para ser beijada ao qual recusei, esquivando-me.  Neste momento em que escrevo esta carta eu não beijo ninguém (ao contrário de ti, bem sei). Mas sou feliz porque já fui beijada...E sinto-me feliz por saber que foi contigo que dei o meu primeiro beijo...

Um abraço... e sê feliz... 
Alima 

2 impressões:

Gonçalo disse...

Cartas bem curiosas! Um like! :)

Alima das Cartas disse...

Obrigada Gonçalo. Um bem haja...

Enviar um comentário