terça-feira, 28 de maio de 2013

Carta à Matemática

Juro que durante uns anos eu gostava imenso de si.
Mas depois, deixou de ser tão elementar e passou a ser cheia de incógnitas. Começou com um x, depois passou a ter também um y e também cheguei a resolver sistemas com um z. e Vieram as funções, as probabilidades, a geometria, as raízes quadradas, as derivadas e aquela panóplia toda...

Foste o maior problema no meu percurso escolar. Por questões de empregabilidade, tive que deixar para trás o sonho de ser professora de História ou de Geografia. Tinha receio de entrar no curso de Direito, tal como o meu pai sonhava que eu fosse, já que eu entrar no curso de Medicina seria para mim uma utopia.
Mas quantos e quantas foram para a área de Letras para fugir de si?

Os meus pais pagavam a explicadores, eu passava horas a olhar para ti e... nada.... era boa aluna em todas as disciplinas, mas tu, caríssima Matemática, só davas desgostos a mim e aos meus pais.
Se me desses uma única alegria, juro cara mas não querida Matemática, eu olharia para ti com outros olhos... poderia ter aquela sensação de fiz o que podia ter feito e consegui salvar-me... Mas não... fazia tudo o que podia e o que não podia e mesmo assim não me salvava.


E quando no Exame Nacional eu chumbei a Matemática por duas malditas décimas, tendo tido média superior a 15 nas outras disciplinas... Bem, o meu mundo desabou mesmo... sentia-me tão fraca quanto aqueles alunos que passaram com 10... Chorei, deprimi mesmo... A minha mãe, que também se dedica a ensinar-te mas num ensino mais básico sem eu saber foi ao liceu onde eu estudava. Fez barulho para que pudessem recorrer da minha nota. E eu passei a Matemática. Foi um Verão em que cresci imenso. Passei de pita do Secundário a Caloira da Universidade. E tu, cara e demoníaca Matemática ias tirar-me esse prazer...

O que te posso dizer agora, é que desde 2004 que não resolvo a porra de um sistema, nem a maldita de uma derivada, nem uma raíz quadrada, nem a porra de uma hiperbole, nem trigonometria... Funções: sim, mas muito fáceis. Estatísticas? Sim, mas muito simples. Mas dou muito uso à tabuada, ao calculo mental de somar, subtrair, multiplicar e dividir... E números negativos só mesmo quando entro num elevador!
Eu sei, eu sei que tudo rola à volta da matemática... que se não fosse a Matemática nunca saberíamos que grandes civilizações existiram... e que até mesmo graças a Matemática a roda é redonda e o mundo redondo é.

Portanto, cara e odiosa Matemática, deixe-me dar um conselho: Não destrua sonhos de tantos alunos como eu. Deixe de ser tão complicada. Nem todos gostamos de desafios... Deixe isso para aqueles que realmente gostam, vulgo malta das engenharias ou das matematicas mesmo... deixe de dar cabo da média de secundario... Sabe que quando destrói um sonho pode estar a destruir uma vida. Frustrações podem levar a depressões. Depressões podem levar a suicídios....

Votos de que tenha todos os seus problemas resolvidos de modo a não ser tão complicada,

Assinado,
Alima

0 impressões:

Enviar um comentário